O ano em que a democracia tropeçou*

É difícil contemplar o encerramento de 2018 sem um aperto no peito e um sentimento de que chegamos ao fim de uma longa transição, que nos trouxe da ditadura para a democracia, sem plena confiança no que nos espera adiante. O aperto vem da lembrança da noite de 14 de março, quando fomos tragados pelo turbilhão de dor e indignação que se seguiu ao assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, no Centro do Rio de Janeiro.

O ano da graça de 2018 termina sem que saibamos quem matou e mandou matar Marielle e Anderson, com boa parte das principais lideranças política presas ou ameaçadas de prisão – inclusive o ex-presidente Lula, o atual presidente Temer, dois ex-governadores do Estado do Rio de Janeiro e muitos outros –, vítimas de investigação, conspiração ou as duas coisas juntas. E diante de nós um universo de incertezas sobre o futuro da democracia brasileira e da ordem de direitos consagrada pela Constituição de 1988. Para quem viveu esse período com uma pitada de perspectiva histórica é difícil não pensar no encerramento de um ciclo.

Tempos de renovação

Os últimos anos no Brasil foram marcados pela emergência de novos atores políticos que se fizeram notar pela defesa de seus direitos e também pelo questionamento das estruturas de poder vigentes. Foi um período em que vimos como nunca a juventude das periferias, as mulheres negras, o feminismo e as novas formas de lutas ocuparem as ruas e as redes sociais com suas demandas por uma nova política. Marielle encarnava a novidade e a renovação, convidava ao diálogo, apostava na capacidade de mudanças das instituições, acreditava que todos e todas temos o direito de viver e amar como desejamos.

A sua covarde execução e as dúvidas que pairam até hoje sobre as circunstâncias e os responsáveis pelo assassinato gerou uma onda de mobilização que vai inspirar uma nova geração de lideranças a ocupar a cena pública, o que, aliás, já vimos nas últimas eleições com o número inédito de candidatas negras, jovens e trans que foram eleitas país afora para as assembleias estaduais e o congresso federal. Um alívio para a dor e a incerteza que pesam como uma âncora que ameaça nos aprisionar à angústia do momento e à sensação amarga de que retrocedemos.

Olhando um pouco antes, as manifestações de junho de 2013, entre outras coisas, já tinham revelado o profundo déficit de representação, de liderança e  de legitimidade experimentado pelo sistema político, incluindo governos, partidos e instituições civis. Um mal-estar que cresceu com a incapacidade de o sistema político e da chamada sociedade civil organizada absorver as novas demandas.

A repressão crescente com a qual os governos passaram a receber protestos e as diferentes formas de manifestação de dissenso aumentaram cada vez mais a frustração e a revolta, especialmente da classe média e dos setores populares pressionados pela deterioração dos serviços e pela crise econômica – ao mesmo tempo em que as promessas simbolizadas pelos grandes eventos (Copa e Olimpíadas) não se realizaram. Uma parte significativa das esquerdas, dentro e fora do governo, não foi capaz de escutar e muito menos renovar visões de mundo. Encantada com o reflexo da própria imagem no poder, a esquerda naufragou junto com o velho sistema político oligárquico ao qual acreditava se contrapor.

Uma nova geração de lideranças e movimentos de direita ganhou espaço e visibilidade. Muitos se identificaram com a onda de movimentos “alt-right” (extrema direita alternativa) que florescem mundo afora, especialmente na Europa e nos EUA. Um populismo ultraconservador profundamente marcado pelo racismo, machismo e fundamentalismo religioso foi capaz de consolidar uma narrativa que capitalizou um medo difuso e ofereceu como resposta a formação de uma identidade comum contra um outro ameaçador. O resultado das eleições presidenciais de 2018 demonstrou de maneira inequívoca que essas forças vieram disputar um lugar de destaque na configuração política brasileira.

Não é uma onda passageira. Aponta para uma renovação do velho conservadorismo que se sustenta no patriarcalismo racista e violento para manter o espantoso padrão de exclusão social e desigualdades que nos caracteriza. Como vimos em outros momentos, o velho foi mais rápido em se renovar para não mudar. E o que era novo envelheceu.

Por isso acredito que, por um lado, precisamos focar naquilo que deu certo para escapar da depressão do presente; e penso muito na Mari, assim como em tantas outras lideranças jovens que inspiram e respiram. Mas também reconhecer que os formatos conhecidos e consagrados das instituições e movimentos sociais que nos trouxeram até aqui precisam rapidamente ser atualizados ou mesmo superados. A demora em reconhecer isso já nos custou muito caro. Mas a história não terminou, aliás, está apenas começando. Entre o espanto e o choque precisamos recuperar a inspiração para imaginar o mundo a partir da clave da esperança e não da frustração. Eis o maior desafio que temos pela frente. Que a democracia resista e se fortaleça em 2019.

Átila Roque é historiador, ex-diretor da Anistia Internacional no Brasil e atual diretor da Fundação Ford no Brasil

✳︎ Artigo publicado originalmente na editoria Justiça do site da Carta Capital

Anúncios